quinta-feira, 27 de junho de 2013

O Mito de Sísifo e Dostoiévski

Criação do Absurdo: Kirilov 

Como estudo de caso, Camus analisa as obras de Dostoiévski. E em particular ele se volta para "Os Possessos" (às vezes traduzido como Os Demônios). De acordo com a Camus, Dostoiévski começa a partir daquele momento a sua obsessão com o raciocínio absurdo. Para Dostoiévski, existe um Deus, uma vida após a morte e a vida tem um significado, caso contrário,  vida não tem sentido, tudo o que fazemos é inútil, e a vida é pouco mais que uma piada cruel. Ele é um escritor moderno, com preocupações absurdas e está essencialmente interessado na metafísica e o sentido da vida, mas ele é um artista e não um filósofo, pois ele examina como esses problemas afetam a vida das pessoas, ao invés de apenas tratá-los como conceitos abstratos.


Kirilov é um personagem de "Os Possessos" que comete o que ele chama de um "suicídio lógico". Para que a vida valha a pena viver, Deus deve existir, e ainda assim ele está convencido de que Deus não pode existir. Seu suicídio é, essencialmente, uma revolta contra a idéia que Deus não existe. Ele é um personagem absurdo em que sua ação é motivada pela revolta e é feito com o espírito de liberdade. Ainda assim, ele comete suicídio. Camus diz que este suicídio, no entanto, não é um ato de desespero, mas um ato criativo em que Kirilov espera que, em certo sentido, possa "tornar-se Deus".

O raciocínio de Camus começa com a afirmação peculiar que, se Deus não existe, então Kirilov é Deus. Em uma cosmovisão cristã, tudo depende da vontade de Deus e tudo o que fazemos está a serviço de Deus. Se Deus não existe, no entanto, fazemos tudo de livre e espontânea vontade e nossas ações servem apenas nós mesmos. Em um mundo sem Deus, nós ocuparíamos a  posição dada a Deus.

O problema, porém, é que mesmo em um mundo sem Deus, a maioria das pessoas continuam a viver com esperança e são incapazes de aceitar a liberdade que eles herdaram. No mundo contemporâneo, não existe uma maneira que se possa viver com liberdade. No entanto, como Kirílov pretende mostrar, é possível a morrer com esta liberdade. Seu suicídio é, essencialmente, uma tentativa de sacrificar a si mesmo, para mostrar ao mundo a liberdade absurda de que todos nós temos, de modo que aqueles que seguem a ele possam ser capazes de viver mais livremente.

No personagem de Kirilov,  nos problemas por ele abordado, Dostoiévski nos apresenta uma visão de mundo absurdo. No entanto, no fim, Dostoiévski se afasta das conseqüências do absurdo e salta para a fé. Seu último romance, Os Irmãos Karamazov, termina com Aliocha afirmando que existe uma vida após a morte. Embora Dostoiévski tenha lutado com temas absurdos, ele por fim coloca sua fé em Deus. Neste sentido, conclui Camus, ele é mais um existencialista do que um absurdista.

"Se  existe Deus, então a vontade é sua, e eu não posso sair de Sua vontade. Se não existe, a vontade é toda minha, e é meu dever de proclamar a vontade própria"
"Vontade própria? E por que é o seu dever?"
"Porque a vontade se tornou todo o meu ser. Como ninguém neste planeta, tendo acabado com Deus e confiando na vontade própria, nunca se atreveu a proclamar a vontade ao seu ponto máximo? É como se um homem pobre, que recebeu uma herança, ficou com medo, e não se atreve a chegar perto do saco, pensando que ele é fraco demais para ele próprio. Quero proclamar vontade própria.  Posso ser o único, mas vou fazê-lo.
"Faça isso, então."
"É meu dever me matar, porque o ponto máximo da minha vontade própria é -  me matar ... matar alguém seria o ponto mais baixo da minha vontade própria, e há você todo ali. Eu não sou você:  quero o ponto mais alto, me matar...  é meu dever de proclamar a descrença”, Kirillov estava andando pelo quarto. "Para mim, nenhuma idéia é maior do que a inexistência de Deus.  A história da humanidade está do meu lado. O homem não tem feito outra coisa senão inventar Deus, para que possa viver sem se matar; é isto que se encontra toda a história do mundo até o agora. Só eu, pela primeira vez na história do mundo, não quis inventar Deus. Deixe-os  saber de uma vez por todas ".

- Fiódor Dostoiévski, Os Demônios

"Você finalmente entendeu! Kirillov gritou extasiado. Assim pode ser entendido, se mesmo alguém como você compreende! Você compreende agora que para a salvação de todos é preciso provar este pensamento. Quem vai provar isso? Eu! Não entendo como, até agora, um ateu podia saber que Deus não existe e não se matar ao mesmo tempo. Reconhecer que não há Deus, e ao mesmo tempo, não a reconhecer que você se tornou Deus, é um absurdo, caso contrário, você deve necessariamente se matar. Uma vez que você entende isto, você é o Rei,  você não vai se matar, mas sim, viver na maior glória. Mas, aquele que é o primeiro, deve necessariamente se matar, caso contrário, quem irá começar e provar isso? Sou eu que vou necessariamente me matar, a fim dar início e provar isso. Deus está contra a minha vontade, e eu sou infeliz porque é o meu dever de proclamar a vontade própria. Todo mundo é infeliz, porque todo mundo tem medo de proclamar a vontade própria. É por isso que o homem tem sido tão infeliz e pobre até hoje, porque ele estava com medo de proclamar o ponto principal da auto-vontade e foi obstinado a viver apenas nas margens, como um adolescente. Estou terrivelmente infeliz, porque eu estou com muito medo. O medo é a maldição do homem ... Mas eu vou proclamar a vontade própria, é meu dever acreditar que eu não acredito. Vou começar, e no final, deixarei aberta a porta. E salvarei.  Apenas esta maneira salvará todos os homens e na próxima geração irá transformá-los fisicamente. Na forma física presente, tanto quanto eu tenho pensado, não há possibilidade para o homem sem o seu antigo Deus.  Por três anos tenho buscando o atributo da minha divindade, e descobri-lo: o atributo da minha divindade é – a vontade própria  Isso é tudo, desta maneira posso demonstrar a questão principal de minha insubordinação e mina nova assustadora liberdade. Por isso é muito assustador. Me matarei para mostrar provar minha insubordinação e a minha nova assustadora liberdade ".

- Fiódor Dostoiévski, Os Demônios








Juntamente com Kierkegaard e Nietzsche, Dostoiévski é frequentemente citado como uma das grandes inspirações do século XIX para o movimento existencialista. Assim como Camus, Dostoiévski é um escritor com preocupações filosóficas. A grande preocupação dos primeiros trabalhos de Camus é precisamente a determinação de como uma pessoa pode viver com plena consciência do absurdo. Dostoiévski retorna novamente para o problema da fé, e todas as implicações do que seria como viver em um mundo sem Deus. Eles compartilham uma consciência de que muitas pessoas podem chegar ao absurdo ou até  a não-existência de Deus em um nível intelectual. Mas outra questão é como viver as consequências dessa afirmação.

A diferença que se pode ver entre Dostoiévski e Camus é que Dostoiévski conclui que não podemos viver sem fé, enquanto Camus acredita que podemos. Em Crime e Castigo, o protagonista, Raskólnikov, comete um assassinato a fim de testar os limites da sua própria liberdade. Depois é atormentado pela culpa, eventualmente, confessa e experimenta uma conversão no epílogo. Em Os Irmãos Karamazov, o ateísmo de Ivan Karamazov o leva, última análise, a loucura, enquanto seu irmão mais novo, Aliocha, que ardentemente quer acreditar, emerge em melhores condições. 

Raskólnikov, Ivan Karamazov e Kirilov são diferentes da maioria dos ateus em que querem viver de acordo com seus princípios. Para eles, não é o suficiente afirmar que são livres e continuar vivendo como antes. Eles devem solucionar como uma vida sem Deus seria diferente e tentam viver de acordo com essa regra. Para Raskolnikov, este caminho leva ao assassinato, para Ivan leva à loucura e para Kirilov ao suicídio. Camus, igualmente, quer que seus personagens vivam plenamente a filosofia que ele cria. Para Meursault e Calígula, dois dos protagonistas de Camus, criados na mesma época que ele escreveu O Mito de Sísifo, não basta aceitar o absurdo de suas vidas em um nível intelectual. Camus utiliza eles para mostrar como uma vida, conscientemente absurda, pode ser diferente da norma.





Grande parte dessa diferença entre Camus e Dostoievski, no entanto, pode ser explicada por sessenta ou setenta anos de história e um clima cultural diferente. Eles não precisam ser vistos como contraditórios. Na Rússia de Dostoiévski, a vida sem Deus pode ter parecido impossível, enquanto que Camus, na França, a vida sem Deus pode até ter parecido necessário. Na discussão de Os Demônios por Camus, ele certamente parece aceitar que o suicídio era a única alternativa para a fé em Deus naquele momento.

Camus inclui este capítulo, pois pretende saber se um escritor que aceita o princípio do absurdo deve necessariamente permanecer fiel a esse princípio. Em Dostoiévski, ele parece concluir que é possível a um escritor de reconhecer o absurdo e não viver de acordo com esse princípio. Na primeira parte de O Mito de Sísifo, Camus mostra que os filósofos existencialistas, como Jaspers, Kierkegaard e Chestov reconheceram os princípios absurdistas, mas, em seguida, pularam para a fé, ao invés de escolher a aceitar esses princípios. Neste capítulo, ele mostra que o que é filosoficamente verdadeiro para aqueles pensadores, também é verdadeiro para Dostoiévski como escritor. Uma sensibilidade absurda não implica necessariamente em uma ficção absurda.



Original: http://www.sparknotes.com/philosophy/sisyphus/section9.rhtml

Nenhum comentário:

Postar um comentário