quarta-feira, 26 de abril de 2017

Efeitos da indulgência sexual sobre o indivíduo e seu meio (Pitrim Sorokin)

1. Efeitos sobre a saúde mental
Pitrim Sorokin

A busca excessiva de prazer sexual causa sérios danos físicos ao indivíduo. A visão atual de que a limitação do impulso sexual é uma importante fonte de doença é, em grande medida, um mito em moda, assim como o seu corolário de que a atividade sexual desenfreada não é prejudicial. Quando aceita sem crítica, essa visão contribui para a disseminação da glutonaria sexual e, portanto, para a deterioração da vitalidade e longevidade de seus devotos.

A sexualidade superdesenvolvida é uma das principais fontes de neuroses e psicoses funcionais. Os distúrbios mentais podem ser causados ​​pelo consumo crônico e excessivo de álcool, que geralmente acompanha a promiscuidade, ou através da sífilis e outras doenças venéreas contraídas através de relações ilícitas.

Mais importante, entretanto, são os distúrbios mentais diretamente resultantes do libertinismo. Fatores constitucionais envolvendo excessos sexuais desempenham um papel significativo no desenvolvimento de distúrbios maníacos-depressivos, esquizofrênicos e paranoicos. Além disso, intensos conflitos internos, emoções violentas, tensões e choques mentais contínuos resultam da ausência de integração de movimentos biológicos, emoções, desejos, idéias, mandamentos morais e valores sociais dos promíscuos.

Na personalidade integrada, o "eu superior" com seus valores morais e estéticos controla o "ego" inferior e os impulsos animais. O mundo interior do indivíduo e seu comportamento manifesto são um todo ordenado, livre de grandes conflitos, motivações e ações contraditórias, livres de uma multidão de tensões e estresses. Essa pessoa goza de paz de espírito; ele segue uma linha clara de conduta determinada pelo seu sistema de valores e suas normas morais de "tu deverás" e "tu não deverás". Ele é afastado da maioria das influências desintegrativas internas e externas. Por mais dolorosas que sejam as tensões da vida, ele as sustenta com coragem. Tentativas de ações que contradizem seu código são rejeitadas sem hesistação, enquanto os apelos às ações que estão de acordo com seu "santo dos santos" são alegremente aceitas e, em grande medida, seguidas.

Em contraste, o mundo interior e as ações do libertino são um caos. A luxúria domina seus pensamentos e sentimentos, e controla seu comportamento claramente. Como seu organismo é um estado de desequilíbrio biológico, ele não pode controlar seus processos em vista de seu próprio bem-estar, nem pode resistir às inúmeras forças externas que o bombardeiam incessantemente. Seu "eu" potencial e seu "ego racional" não exercem efetivamente sua função de dirigir o organismo, sua personalidade é subdesenvolvida, seu ego é transpassado por inúmeras tensões e conflitos: de seus impulsos biológicos, uns contra os outros, especialmente o preponderante impulso sexual contra outros impulsos; dos fragmentos de valores e motivações entre si e com os impulsos biológicos; de seu "eu" com seu "ego". Ele é atormentado por sentimentos de culpa e remorso. Suas emoções e paixões conflitantes são continuamente excitadas. Ele é uma casa dividida contra si mesmo, cujas várias partes estão em guerra incessante contra si. Em tal condição, não consegue-se alcançar uma verdadeira paz de espírito, e seu organismo - com seu mau funcionamento e sua personalidade estilhaçada - fazem dele uma presa fácil para as neuroses e as psicoses funcionais.

O ambiente e o modo de vida dos glutões sexuais estão saturados de tensões intensas, emoções acaloradas e conflitos mortais. Sua busca do prazer exige constantes explosões de luxúria, ciúme, ansiedade, inveja, medo, dúvida, insegurança, ódio. A busca por novas excitações é inseparável dessas paixões, que surgem de vez em quando entre parceiros sexuais e quase sempre entre o libertino e as pessoas e grupos cujos interesses vitais são violados por suas transgressões.

O menor evento adverso no ambiente dos glutões sexuais pode precipitar uma série de mudanças de personalidade desintegrantes. A decepção, a suspeita, o fracasso, a frustração, assim como a vulgaridade, a feiura e a doença de seu ambiente podem precipitar neuroses e até mesmo psicoses.

Mesmo uma pessoa de corpo sadio, forte nervos e personalidade integrada precisaria mobilizar toda sua capacidade para suportar com sucesso tais grandes pressões. A condição física, emocional e espiritual enfraquecida do glutão sexual costuma torná-lo incapaz de resistir a eles, e ele eventualmente despedaça sob seu peso. Muitas vezes termina por se tornar um psiconeurótico ou um suicida.

Essa etiologia dos transtornos mentais funcionais contradiz fortemente a fantástica teoria freudiana que ensina que a repressão de impulsos sexuais incestuosos ou ilícitos é a principal fonte da psiconeurose. A abordagem psicanalítica, que aconselha implícita ou explicitamente a plena satisfação de todos os impulsos para a manutenção da saúde mental, é essencialmente não-científica e também perigosa moralmente e socialmente. Sua aplicação prática leva não a uma diminuição, mas a uma multiplicação de transtornos mentais. Só se pode lamentar que tais idéias tenham ganhado prestígio nos círculos científicos e sejam agora aceitas por uma legião de psiquiatras, psicólogos, educadores e "divulgadores", e até mesmo por alguns 'ministros' de Deus, embora nenhuma prova adequada de sua validade tenha sido apresentada.

Entre as evidências substanciais que sustentam a tese de que a indulgência sexual causa transtornos mentais e que desmente a teoria freudiana, deve-se notar o desenvolvimento paralelo da liberdade sexual e das neuroses.

Se a abordagem freudiana é correta, então um aumento da liberdade sexual entre os membros de uma sociedade deve ser seguido por uma diminuição de transtornos mentais funcionais. Por outro lado, se a etiologia que esboçamos é correta, podemos esperar um crescimento paralelo de psiconeuroses acompanhando o relaxamento das limitações do comportamento sexual. Os fatos relevantes parecem apoiar esta última proposição.

Para começar, durante as últimas décadas, tanto na América como em muitos países europeus, o movimento em direção à anarquia sexual foi acompanhado por um aumento constante de distúrbios mentais. E essa tendência se desenvolveu apesar de um exército expandido de psicanalistas e psiquiatras.
Nos Estados Unidos, nossa população dobrou desde 1880. Durante o mesmo período, o número de pacientes em hospitais mentais aumentou em doze vezes. Em 1880 tínhamos 63,7 doentes mentais em nossos hospitais por 100.000 habitantes; agora temos 366.7 por 100.000. Aproximadamente 20.000 admissões para instituições mentais são agora feitas anualmente. Atualmente, existem cerca de 630.000 pacientes em hospitais mentais, contabilizando cerca de 47% de todos os pacientes nos Estados Unidos. Nem esses números contam toda a história. Atualmente, neste país, as psiconeuroses têm aumentado de tal forma que, de acordo com várias estimativas, entre 25 e 50 por cento da nossa população adulta é considerada mentalmente doente em algum grau.

Não tão surpreendente, mas essencialmente semelhante, tem sido a tendência em alguns países europeus caracterizados por uma crescente liberdade sexual.

Naturalmente, esta situação pode, em parte, ser explicada por um diagnóstico mais adequado e preciso da doença mental; por mais hospitais; e por fatos semelhantes. Concedendo, no entanto, o significado dessas causas, elas não anulam a existência desse aumento assustador.

Não se pode e não se deve argumentar que a liberdade sexual é a única causa de doença mental dos nossos tempos. Como mostraremos mais tarde, há toda uma constelação de fatores que contribuem para a situação. Por outro lado, certamente não se pode argumentar que o aumento da liberdade sexual e as teorias e práticas da psicanálise reduziram a prevalência de transtornos mentais.

E uma vez que tanto o aumento da liberdade sexual quanto a proliferação de neuroses e psicoses ocorreram impressionantemente durante o mesmo período, pode-se considerar que existe uma relação causal entre elas. Essa é a primeira corroboração histórico-estatística de nossa visão.

Paralelos semelhantes entre a disseminação da licenciosidade e a multiplicação de transtornos mentais ocorreram em outras sociedades, especialmente durante os tempos revolucionários. Os períodos de declínio social e cultural na Grécia antiga e em Roma foram caracterizados pela anarquia sexual e transtornos mentais. O mesmo é verdadeiro dos séculos de declínio no fim do Reino Velho, do Reino Médio, do Império Novo, e no período de declínio do período helenístico do Egito antigo; na decadência da Babilônia e Assíria; e várias vezes na história da China. Por outro lado, dificilmente se conhece qualquer caso histórico no qual um aumento da liberdade sexual em larga escala tenha sido acompanhado por uma diminuição da desordem mental, ou em que o represar a torrente da anarquia sexual tenha sido seguido por um aumento de neuroses e psicoses.

Substanciando essa evidência está a taxa excepcionalmente alta de transtornos mentais entre as famílias reais marcadas pela promiscuidade e excesso em seu comportamento sexual. O mesmo se aplica aos artistas, músicos e escritores boêmios; seus herdeiros e herdeiras; e as estrelas do entretenimento.

Em resumo, as relações sexuais promíscuas e especialmente ilícitas tendem a minar a saúde mental de seus devotos e a busca excessiva de prazer sexual é um dos fatores importantes no desenvolvimento das psiconeuroses e das psicoses funcionais.



2. Efeitos sobre a integridade moral

Os efeitos da promiscuidade e das relações sexuais ilícitas sobre a integridade moral do indivíduo são bastante desastrosos. O aventureiro sexual tem que mentir para cada um de seus parceiros de cama sucessivos, negando ligações com os outros. O marido adúltero deve mentir para sua esposa, e a esposa desleal deve mentir para seu marido. Uma menina ou menino envolvido em um relacionamento ilícito deve mentir para os pais. E o glutão sexual é obrigado a mentir incessantemente para seus vizinhos, seus amigos, seus colegas de trabalho, seu empregador, a fim de esconder o estado real das coisas.

Uma lacuna ainda mais crucial na armadura da integridade é feita pela violação do transgressor dos votos matrimoniais e dos deveres para com as crianças, os pais e os amigos homens e mulheres, e para com os grupos políticos, religiosos e outros dos quais ele é membro. E, ao violar esses votos, o transgressor está quebrando um dos pilares de todo o tecido moral de sua personalidade. Este tecido é como uma teia de aranha: se você quebrar um de seus pontos focais, você põe em perigo e até arruína toda a teia. Os violadores são cada vez mais pressionados a tornar-se niilistas enciclopédicos, desmoralizados destroços humanos, e vez ou outra criminosos endurecidos.

No entanto, os efeitos desmoralizantes do libertinismo sobre seus devotos são tão conhecidos e tão amplamente aparentes que não precisamos aqui entrar em uma discussão detalhada deles.

3. Efeitos sobre a criatividade

Muitas vezes se ouve que as aventuras sexuais são necessárias e benéficas para a inspiração e conquista dos poetas, músicos, artistas, atores, inventores, construtores de grandes impérios políticos e econômicos, estudiosos criativos, cientistas e filósofos, mesmo para líderes morais e religiosos. Para reforçar esse argumento, geralmente se faz menção ao comportamento de certa forma libertino de Cellini, Boccaccio, Ovídio, Horácio, Villon, Mozart, Schubert e alguns outros.

Até que ponto esta teoria é válida? Em primeiro lugar, ninguém ainda provou que esses ou outros gênios se tornaram criadores por causa de suas aventuras sexuais. Ninguém demonstrou que essas aventuras foram mesmo instrumentais no desenvolvimento do potencial criativo. Pelo contrário, alguns desses gênios morreram prematuramente ou foram gravemente prejudicados pelos efeitos de sua heterodoxia sexual. A morte precoce de Schubert foi em grande parte devido a doença venérea; o banimento de Ovídio foi em parte causado por suas ligações; a morte prematura pelo duelo de dois dos maiores poetas da Rússia, Pushkin, e Lermontov, foi o resultado das atividades de outros libertinos, de sua própria promiscuidade e da infidelidade da esposa de Pushkin; o colapso nervoso do supostamente homossexual Tchaikovsky seguiu seu casamento precipitado e tolo; o fim da prematura da criatividade literária de Oscar Wilde foi causada por sua homossexualidade; as ligações ilícitas de Mozart, Chopin, Pergolesi e muitos outros tiveram influências obviamente depressivas em suas vidas artísticas; estes e centenas de casos semelhantes demonstram claramente os efeitos nocivos da promiscuidade sobre a criatividade dos músicos, artistas e escritores.

Em segundo lugar, as aventuras sexuais dos boêmios foram exageradas. Não devemos esquecer que muitos desses homens tiveram suas ligações em um período inicial de suas vidas, e que seus casos dificilmente excederam algumas relações pré-maritais. De qualquer ponto de vista, tais ligações têm pouco em comum com a devassidão. Na verdade, permanece pouco mais do que mito sobre a sexualidade excessiva dos boêmios, e certamente isso dificilmente pode ser considerado como tendo facilitado sua criatividade.

Em terceiro lugar, esta teoria popular é repudiada decisivamente pelo fato de que uma esmagadora maioria dos gênios criativos têm sido perfeitamente normais em suas atividades sexuais ou até mesmo foram ascéticos ou semi-ascéticos. Pythagoras, Socrates, Plato, Archytas, Aristotle, Euclides, Plotinus, Archimedes, Hesíodo, Esquilo, Sófocles, Pheidias, Varro, Copenicus, Newton, Alberto Magnus, Santo Tomás de Aquino, Palestrina, Victoria, JS Bach, Dante, Beethoven, Kant - estes e uma vasta gama de criadores na cultura ocidental tiveram sua vida sexual normal do ponto de vista dos padrões prevalecentes da sua sociedade e período, ou eram mais continentes que seus contemporâneos.

Quanto aos criadores religiosos e grandes líderes morais, eles foram ou ascéticos, como a maioria dos monásticos, ou tornaram-se continentes ou semi-continentes após o início de sua criatividade religiosa e ética, como Buda, Al Ghazzali e Ghandhi. Não é por acaso que a continência seja vista como uma condição necessária para uma liderança fecunda pela maioria das constituições monásticas do Oriente e do Ocidente, pelas poderosas correntes do hinduísmo e do budismo, pelo jainismo e pelo sufismo, pelo cristianismo católico romano, por muitos mestres espirituais (spiritualts pater, guru, sheikh) começando com o antigo guru e terminando com Gandhi, Sri Aurobindo e outros líderes dos últimos tempos. A maioria deles requerem castidade, não com a finalidade de torturar o corpo ou assegurar a salvação para a alma, mas como uma condição necessária para a realização da mais alta espiritualidade.

Não menos decisivo é o equívoco repudiado pelo fato de que libertinos grosseiros raramente, se alguma vez, se tornaram eminentes em qualquer campo da atividade criativa. O simples sexo não é nem uma condição suficiente nem uma condição vantajosa para escrever um poema, compor uma peça de música, pintar um quadro, ou alcançar qualquer outro objetivo significativo. As razões para isso são óbvias. Qualquer realização notável requer longo treinamento, trabalho persistente e concentração. A declaração de Thomas Edison de que suas invenções eram devidas a 10% de inspiração e 90% de transpiração cento é aplicável a qualquer trabalho criativo. O resultado é que pouco tempo e energia pode ser gasto em busca de emoções sexuais. Por outro lado, quando um indivíduo vive para saciar sua paixão, não tem nem o tempo, nem a energia, nem o poder de concentração necessário para o desenvolvimento de seu potencial criativo.

Estas observações são reforçadas pela antiga teoria do Yoga Tântrico do Kundalini Sakti, ou Mãe Divina, ou o "Poder da Serpente", como a força criativa ativa no universo. No ser humano, esse poder está adormecido na base da coluna vertebral, e seu acordar é necessário para despertar a consciência espiritual e a criatividade. Uma vez desperta, ascende ao longo do canal místico de Sushumna através dos centros sexuais, ou lótus, até atingir o lótus de mil pétalas no topo da cabeça. Nessa ascensão, transforma-se energia sexual em energia espiritual ou criativa.

Por razões um pouco diferentes, a continência completa também é fortemente aconselhada pela doutrina Bramacharya aos aspirantes de crescimento espiritual e moral. Nos últimos anos, esta doutrina tornou-se amplamente conhecida em todo o mundo através dos escritos e atividades de Gandhi e seus seguidores. E o ponto central desta antiga crença, isto é, a possibilidade de transformar a energia do impulso não-satisfeito sexual em uma forma de realização criativa, foi repetido outras vezes em diversas formas por muitos criadores religiosos, estudiosos e cientistas até as teorias recentes relacionadas à sublimação da energia libidinal não-gasta em energia criativa, como proposto por Herbert Spencer, Winiarsky, Oswald, Freud e outros.

A convergência, neste ponto, das teorias de Freud, Aurobindo e Gandhi, do Yoga hindu raja e tântrico e das regras de São Basílio o Grande, São Bento, São João Cassiano e outros padres monásticos cristãos, sugere que essas crenças contêm uma grande verdade. Se assim for, eles reforçam a conclusão de que quanto mais tempo, energia e esforço se dá à busca do prazer, menos resta para tarefas criativas; e vice versa. E Herbert Spencer, E. Westermark, J. Unwin e outros acrescentam a essas considerações várias razões "evolutivas" da incompatibilidade da atividade sexual excessiva e da criatividade social e cultural.
 



4. Efeitos sobre a felicidade


Finalmente, a excessiva preocupação sexual afeta negativamente a possibilidade de uma felicidade profunda e duradoura aos seus devotos. Uma vez que debilita o corpo, mina a vitalidade, destrói a saúde mental, desintegra a integridade moral e desencoraja a criatividade, obviamente não pode trazer a graça da equanimidade e felicidade duráveis. Exceto por momentos de intoxicação sexual de curta duração, a vida do promíscuo é desprovida de segurança e paz de espírito, e está cheia de suspeita, ódio, medo, ciúme, remorso, tédio e conflito doloroso sem-fim. Sendo estéril dos maiores e mais nobres valores, deteriora-se ao nível da vulgaridade primitiva. Mesmo o infinitamente rico e colorido milagre do amor é reduzido a mera cópula, que tende a tornar-se cada vez menos intensa e satisfeita.





Quanto mais esses promíscuos tentam alcançar o prazer, menos conseguem; a sensação que uma vez foi emocionante se torna monótona, rotineira e até mesmo dolorosa. Essa atenuação as vezes empurram o glutão sexual para uma busca por perversões, que agravam ainda mais a doença, o tormento e a miséria.

Não é de admirar, então, que a vida finalmente se transforma numa existência lamentável e que muitas vezes termina em suicídio.

Ao todo, os promíscuos pagam um preço exorbitante por seus momentos fugazes de prazeres. Eles pagam com sua saúde e vitalidade, com sua integridade mental e moral, com sua criatividade e felicidade. Tal é o Némesis dos glutões sexuais. E tais são as consequências do abuso e do mau uso de uma das maiores funções vitais do homo sapiens.



5. Sobre Família e os Próximos
 

Antes de nos voltarmos para os efeitos sociais e culturais da anarquia sexual, devemos considerar por um momento a influência desastrosa que o libertino tem sobre sua família e seus associados imediatos.

O transgressor perturba a vida ordenada da família. Um caso ilícito ou promíscuo envolve sempre mais indivíduos do que os parceiros sexuais. Cada libertino tem alguma família, marido ou mulher, pai e mãe, filhos, irmãos e outros parentes. Eles não podem deixar de estar profundamente preocupados com o comportamento desonroso do libertino. Eles não podem deixar de sentir uma profunda tristeza e vergonha pela infâmia trazida sobre a família. Eles também são envolvidos ​​por uma intensa ansiedade e medo pelo futuro do transgressor.

 Além disso, o ódio, o desprezo, o desejo de vingança e emoções semelhantes são despertados nos pais de um adolescente seduzido, no marido de uma esposa infiel, ou na esposa de um marido adúltero, ou em outros membros da família de uma vítima de luxúria de um outro. O libertino transforma-se, assim, no inimigo da família de sua companheira de cama.

No entanto, os efeitos não terminam aí. O libertino tem amigos e conhecidos, e muitas vezes seus interesses vitais são violados por sua promiscuidade. Desta forma, o glutão sexual se enreda em outra série de conflitos com um grupo ainda maior.

Um relacionamento ilícito envolve ainda várias agências religiosas, cívicas e outras que guardam a decência pública; as autoridades governamentais responsáveis ​​pela perseguição e punição desses delinquentes; e finalmente seu empregador. Com tal notoriedade, o transgressor encontra-se com dificuldades crescentes em cada fase de sua vida.

Desta forma, as atividades da libertinagem o levam à colisão mais aguda e crônica com um grande número de pessoas e grupos.


Ele também pode corromper muitas pessoas inocentes. Se ele é um pai, seu mau exemplo frequentemente desmoraliza seus filhos, e os coloca no caminho da promiscuidade.

Além disso, o promíscuo sofisticado pode espalhar a desmoralização em grande extensão, seja porque suas atividades são feitas para parecer glamoroso, seja porque ele ridiculariza valores e ideais prezados.

Nessas e outras formas, o veneno do transgressor irradia em toda a família, em seguida, na sociedade como um todo. As instituições sociais são desmoralizadas, os valores culturais degradados e a anarquia sexual se torna cada vez mais próxima.

retirado do livro The American Sex Revolution, escrito por Pitrim Sorokin
 

3 comentários:

  1. Olá. Ótimo conteúdo... gostaria de saber onde encontro esse artigo em caráter original. Pode me ajudar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O nome do livro em inglês é The American Sex Revolution. Há uma versão em português: A Revolução Sexual Americana. O autor é Pitirim A. Sorokin

      Excluir