sexta-feira, 18 de julho de 2014

A Confusão dos Níveis

Em O Reino da Quantidade, Guénon relata em um capítulo as consequências do fracasso do homem moderno distinguir entre o psíquico e o espiritual, sem, no entanto, delinear claramente as distinções. O homem é um ser tripartite, composto de corpo, alma e espírito. Cada nível tem funções próprias, que imitam a função do correspondente em outros níveis, tornando assim possível a confusão entre os níveis. O gráfico a seguir esquematiza as funções.



No Homem Verdadeiro, o nível psíquico medeia os níveis materiais e pneumáticos. No entanto, o homem pouco desenvolvido, comum ao mundo moderno, identifica-se plenamente com o nível psíquico (ou, pior ainda, o nível material). Ele considera suas emoções, pensamentos e desejos como "seus", sem saber de sua verdadeira origem e significado. Uma vez que cada emoção, pensamento e desejo gera seu oposto, a identidade do homem psíquico é inconsistente, variando de acordo com as suas alterações.

Para o homem pneumático, as funções não possuem opostos. Ao contrário das emoções psíquicas que têm os seus homólogos negativos, as emoções superiores não possuem. Há um contato direto, ou comunhão com estados mais elevados. A intuição fornece a compreensão direta e imediata (gnosis) da realidade superior. A vontade não é atormentada pela dúvida, o homem pneumático tem a Verdadeira Vontade e sabe o que fazer. Ele conhece as virtudes diretamente - a prudência, a coragem, a justiça, a temperança - e compreende-as como energia. Sua consciência não experimenta o fracasso moral como culpa contra algum padrão, mas sim como vergonha por não fazer jus ao seu. O desenvolvimento destas funções são formas de Bhakti, Jnana e Karma Yoga.

O perigo entra quando as ideias adequadas para o homem pneumático são adoptadas pelo homem psíquico. Por exemplo, Rousseau escreve:
O que Deus quer que um homem faça, ele não diz através de outro homem; Ele diz-lhe para Ele mesmo, e escreve no fundo do seu coração.
Isso se opõe a tendência de nivelar democraticamente à hierarquia legítima, que é livremente aceita. Engendra deslealdade, uma vez que cada homem é sua própria autoridade maior. O símbolo do "coração", que deve representar as funções espirituais é, em vez disso, rebaixado em nada mais do que um significado sentimental.

O número de tais exemplos pode ser multiplicado indefinidamente. Então, em vez disso, vamos generalizar como a confusão de níveis leva a três deformações filosóficas fundamentais no mundo moderno. Eles são caracterizados por serem anti-tradicionais. Embora sejam logicamente inconsistentes e incompatíveis entre si, na prática todos se unem contra a Tradição uma vez que nenhum deles baseia-se em princípios mais elevados; assim, a sua oposição ao Princípio se torna um lugar comum.
  • Sentimentalismo é o resultado da confusão da função sentimento
  • Racionalismo é o resultado da confusão da função pensamento
  • Moralismo é o resultado da confusão da função vontade



Nenhum comentário:

Postar um comentário